Teste de Colinesterase


Teste de Colinesterase
Colinesterase

 

Um exame que indica a exposição a agrotóxicos e problemas de saúde, no qual pesquisa  o nível da enzima colinesterase no sangue. A inibição da colinesterase por meio dos compostos fosforados ou carbamatos provoca o acúmulo de acetilcolina, e o organismo passa a apresentar uma série de manifestações (efeitos muscarínios, nicotínicos e centrais).

 

É uma enzima cujo papel fundamental é a regulação dos impulsos nervosos através da degradação da acetilcolina na junção neuromuscular e na sinapse nervosa. Existem duas categorias de colinesterases: a acetilcolinesterase (colinesterase verdadeira), que é encontrada nos eritrócitos, no pulmão e no tecido nervoso; e a colinesterase sérica, sintetizada no fígado, também chamada de pseudocolinesterase. Fonte: Diagnósticos da América.

 

Sua determinação é útil na avaliação e no acompanhamento de pacientes com intoxicação por organofosforados (inseticidas) que inibem a colinesterase eritrocitária e diminuem os níveis da colinesterase sérica. A colinesterase sérica está diminuída nas doenças parenquimatosas hepáticas (hepatites virais, cirrose), na insuficiência cardíaca congestiva, nos abscessos e neoplasias.

 

Os níveis baixos persistentes nos cirróticos têm sido apontados como marcador de mau prognóstico. Valores diminuídos também são encontrados em estados de desnutrição, infecções agudas, anemias, infarto do miocárdio e dermatomiosite. Diversas drogas como estrogênios, testosterona e contraceptivos orais também podem interferir nos níveis da colinesterase sérica.

 

A colinesterase pode estar aumentada em pacientes obesos, em diabéticos e na síndrome nefrótica.

 

Para trabalhos que envolvam produtos organofosforados e carbamatos, a NR 7 - Programa de controle médico de saúde ocupacional, da Portaria n.º 3.214, de 08/06/1978 do Ministério do Trabalho, prevê que a periodicidade para a realização da análise da colinesterase eritrocitária, colinesterase plasmática ou colinesterase eritrocitária e plasmática (sangue total) seja, no mínimo, semestral.

 

O exame médico periódico dos trabalhadores expostos à substâncias tóxicas é indispensável para comprovar a presença de efeitos adversos, conseqüência de medidas de controle insuficientes, práticas de trabalho inapropriadas ou exposição a níveis máximos toleráveis das pessoas expostas. O ideal seria que fosse estudado o tempo real de exposição dos funcionários que aplicam o praguicida, fixando-se os índices de segurança do tempo máximo e mínimo de exposição.

 

O agricultor deverá procurar imediatamente atendimento médico, na presença de quaisquer sintomas que possam indicar um quadro de intoxicação.




Deixe seu Comentário

Outras Postagens

DIA MUNDIAL DA VOZ

DIA MUNDIAL DA VOZ

Dia Mundial da Voz – 16 de Abril de 2015   Essa data é comemorada desde 1999 no Brasil com o objetivo de...

Outubro Rosa

Outubro Rosa

  No dia 16 de outubro foi realizado um encontro no Centro de Apoio Psicossocial –CAPS  de  Pontes e...

Dia Internacional  da conscientização sobre o Ruído

Dia Internacional da...

No dia 27 de abril será comemorado em todo o Brasil o Dia Internacional da Conscientização sobre o...

Ultimas Postagens

Dr. Emanuel Vieira Leite de Figueiredo

Dr. Emanuel Vieira Leite de...

Atendimento do Dr. EMANUEL VIEIRA LEITE DE FIGUEIREDO – CRM-MT 7687 CIRURGIA VASCULAR E ENDOVASCULAR Tratamento de...

S.O.S Medicina ganha prêmio Destaque Empresarial

S.O.S Medicina ganha prêmio...

A SOS MEDICINA CLINICA E OCUPACIONAL agradece aos clientes, parceiros e colaboradores por mais um reconhecimento importante. Foi...

Campanha Novembro Azul - 2017

Campanha Novembro Azul - 2017

  Veja abaixo o panfleto em alta qualidade!

© SOS Medicina Todos os direitos reservados. Designed & developed by Studio Art Real